Google+

28 de julho de 2011

E depois há dias assim. Em que os braços se colam ao corpo e o coração se agarra às costas.