Google+

16 de dezembro de 2012


she wasn't doing a thing that I could see, except standing there, leaning on the balcony railing, holding the universe together

| j.d. salinger |

6 de dezembro de 2012


I am Hope
And I’m comin’ to fight
Hear me lookin’ away
Oh!

I am Hope
And I’m ready to fight
Hear me runnin’ away
Nobody knows what’s right

I am Hope
And I show my knife
Hear me lookin’ away
Oh!

I am Hope
And I’m open-eyed
Hear me shakin’ around
Oh, oh, oh

Here am I
Lookin’ for a lover to come tonight
Lookin’ for a lover to breathe to life
I am you

I am Hope
And I’m ready to fight
Hear me shakin’ all over
Nobody knows what’s right

I am Hope
And home at night
Hear me lookin’ away
Oh, oh, oh

Here am I
Lookin’ for a lover to burn the night
Lookin’ for a lover to breathe to life
I am you

Here am I
Lookin’ for a lover to burn the night
Lookin’ for a lover to breathe to life
I am you
Yeah!

| bat for lashes, oh yeah! |

15 de novembro de 2012



She hangs beneath the sky
Her eyes pass the sea

She talks and explodes
Broken peace
In this beautiful sheet

He chews her back to the crowd to the cold
Starting if you fall
Seeing this secret beauty

He spews her around to the floor
And opens up the door
To the plastic music

Thinking of sleeping beauty chained
To her dress, and to her braid
Thinking of sleeping beauty chained
To her dress and to beauty

She's my sleeping beauty

| patrick watson, sleeping beauty |





30 de outubro de 2012


 non est ad astra mollis e terris via - there is no easy way from the earth to the stars

| Seneca |

27 de outubro de 2012

carry me home on your sholders


This my excavation and today is kumran
Everything that happens from now on
This is pouring rain
This is paralyzed

I keep throwing it down two-hunded at a time
It's hard to find it when you knew it
When your money's gone
And you're drunk as hell

On your back with your racks as the stacks are your load
In the back and the racks and the stacks of your load
In the back with your racks and you're un-stacking your load

Well I've been twisting to the sun and the moon
I needed to replace
The fountain in the front yard is rusted out
All my love was down
In a frozen ground

There's a black crow sitting across from me
His wiry legs are crossed
He is dangling my keys, he even fakes a toss
Whatever could it be
That has brought me to this loss?

On your back with your racks as the stacks are your load
In the back and the racks and the stacks of your load
In the back with your racks and you're un-stacking your load

This is not the sound of a new man or crispy realization
It's the sound of the unlocking and the lift away
Your love will be
Safe with me

| bon iver, re: stacks |

21 de outubro de 2012



and where we love is home,
home that our feet may leave, but not our hearts

| Oliver Wendell Holmes, Homesick In Heaven |

11 de outubro de 2012


Para vermos o azul, olhamos para o céu. A Terra é azul para quem a olha do céu. Azul será uma cor em si, ou uma questão de distância? Ou uma questão de grande nostalgia? O inalcançável é sempre azul.

| clarice lispector |

10 de outubro de 2012

fingir que está tudo bem


fingir que está tudo bem: o corpo rasgado e vestido
com roupa passada a ferro, rastos de chamas dentro
do corpo, gritos desesperados sob as conversas: fingir
que está tudo bem: olhas-me e só tu sabes: na rua onde
os nossos olhares se encontram é noite: as pessoas
não imaginam: são tão ridículas as pessoas, tão
desprezíveis: as pessoas falam e não imaginam: nós
olhamo-nos: fingir que está tudo bem: o sangue a ferver
sob a pele igual aos dias antes de tudo, tempestades de
medo nos lábios a sorrir: será que vou morrer?, pergunto
dentro de mim: será que vou morrer? olhas-me e só tu sabes:
ferros em brasa, fogo, silêncio e chuva que não se pode dizer:
amor e morte: fingir que está tudo bem: ter de sorrir: um
oceano que nos queima, um incêndio que nos afoga. 

| josé luís peixoto, a criança em ruínas |

8 de outubro de 2012


tell me where's your hiding place?
I'm worried I'll forget your face
and I've asked everyone
I'm beginning to think I imagined you all along


| arctic monkeys, cornerstone |

3 de outubro de 2012


Sometimes I’m terrified of my heart; of its constant hunger for whatever it is it wants. The way it stops and starts.

 | edgar allan poe, complete stories and poems |

1 de outubro de 2012


Tell me a line
Make it easy for me
Open your arms
Dance with me until I feel all right

It's good in the dark
Good in the dark
But into the lover's light
Here comes another fight

So ring the alarm
Ring the alarm
Bar me and hold me and cling to my arm

Here it comes
Here it comes

And what you're asking me now
Disastrous now
Hoping and hoping and hoping the feeling goes away

Never change, never change, never change, never change
Never change, never change, never change
This is why I fell in love

Never change, never change, never change, never change
Never change, never change, never change
That's just who I fell in love with

This is the time
The very best time
So give me a line
And take me home
Take me over

But dashing the hopes
Dashing the hopes
And smashing the pride
The morning's got you on the ropes

And love is a murderer
Love is a murderer
But if she calls you tonight
Everything is all right
Yeah, we know

And love is a curse
Shoved in a hearse
Love is an open book to a verse
Of your bad poetry
And this is coming from me

But I can change, I can change, I can change, I can change
I can change, I can change,
If it helps you fall in love

I can change, I can change, I can change, I can change
I can change, I can change, I can change
If it helps you fall in love

Turn on the light
Make it easy for me
Fill the divide
Fumble in the kitchen 'til it's right
What an awful sight

But there's love in your eyes
Love in your eyes
Love in your eyes
But maybe that's just what your lover finds all night

I can change, I can change, I can change, I can change
I can change, I can change, I can change
If it helps you fall in love

I can change, I can change, I can change, I can change
I can change, I can change, I can change
If it helps you fall in love

And I can change, I can change, I can change, I can change
I can change, I can change, I can change
If it helps you feel real love


| LCD Soundsystem, I can change |

26 de setembro de 2012


‎"Devia era, logo de manhã, passar um sonho pelo rosto. É isso que impede o tempo e atrasa a ruga."

| Mia Couto, "Mar me Quer" |

25 de setembro de 2012

19 de setembro de 2012


Diz meu mal ou leva-me à razão. 
Quero andar por fora do que eu sou, 
Deixar o tempo ver, 
Do que é capaz. 



| ornatos violeta, débil mental |

16 de setembro de 2012

como afundar


o amor foi entrando em nós sem mentir
vi-te erguer no meu suor e subir
eu senti o amor tocar no avesso da saudade
e com ela a dor de não chorar

e é como ver o chão sob nós
sentir que é no amor que eu consigo encontrar
o que eu sou

e é como afundar nosso mundo em dor
e não querer acordar

minha flor, meu sol, eu vou estar sempre aqui
se eu lembrar a dor será também por ti
mas eu, eu não vou mudar

e a dor foi entrando em mim sem mentir
vi-te enfim erguer do chão
e sorrir
como a construir o meu fim

estão a bater à porta
dizem ser teus amigos
dizem vir da parte interna dos ouvidos

a noite entrou de passagem
sem nos levar
boa viagem
boa viagem

isso é como afundar nosso mundo em dor
e não querer acordar
e tu não vês?

| ornatos violeta, como afundar |

7 de setembro de 2012

celebrate your dreams when you are away


sweet oh luscious life
celebrate your dreams when you are away
doesn't it taste so sweet
like it's growing on oh growing on the trees
growing on the trees

when you pick me up off the ground
i'll slowly turn you from a frown
sweet oh luscious life

my sweet oh my sweet oh luscious life
you taste so sweet
when you are so free
my sweet oh luscious life you taste so sweet to me

hold time no need for the moment of the day
i celebrate i need i need today

one minute of the day
to celebrate
to let it be
to feel so free
when you and me
in a sweet luscious life
for a minute of day
you taste so sweet

26 de agosto de 2012


Dear Mr. Quiet who's got so much to say
So much more than all of the sleeping parade
If I could tie up a string to your mouths and make you scream
All of the things that you keep to your self
I'd love to get to know you better
Dear Mr. Quiet I'd love to get to know you better
When nobody's around


| quiet crowd, patrick watson |

9 de agosto de 2012

as mulheres têm fios desligados


Há uns tempos a Joana
-Pai, acabei um namoro à homem
Perguntei como era acabar um namoro à homem e vai a miúda
- Disse-lhe o problema não está em ti, está em mim
O que me fez pensar como as mulheres são corajosas e os homens cobardes. Em primeiro lugar só terminam uma relação quando têm outra. Em segundo lugar são incapazes de
-já não gosto de ti
De
-não quero mais
Chegam com discursos vagos, circulares
-preciso de tempo para pensar
-não é que não te ame, amo-te, mas tenho de ficar sozinho umas semanas
Ou declarações do género de
- tu mereces melhor
-estive a reflectir e acho que já não te faço feliz
-necessito de um mês de solidão para sentir a tua falta
E aos amigos
-dá-me os parabéns que lá consegui livrar-me da chata
-custou mas foi
-amandei-lhe aquelas lérias do costume e a gaja engoliu
-chora um dia ou dois e passa-lhe
E pergunto-me se os homens gostam verdadeiramente das mulheres. Em geral querem uma empregada que lhes resolva o quotidiano e com quem durmam, uma companhia porque têm pavor da solidão, alguém que os ampare nas diarreias, nos colarinhos das camisas e nas gripes, tome conta dos filhos e não os aborreça. Não se apaixonam: entusiasmam-se e nem chegam a conhecer com quem estão. Ignoram o que ela sonha, instalam-se no sofá do dia a dia, incapazes de introduzir o inesperado na rotina, só são ternos quando querem fazer amor e acabado o amor arranjam um pretexto para se levantar (chichi, sede, fome, a janela de que esqueceram de fechar o estore ) ou fingem que dormem porque não há paciência para abraços e festinhas, pá e a respiração dela faz-me comichão nas costas, a mania de ficarem agarrados à gente, no ronhónhó, a mania das ternuras, dos beijos, quem é que atura aquilo? Lembro-me de um sujeito que explicava
- o maior prazer que me dá ter relações com a minha mulher é pensar que durante uma semana estou safo
E depois pegam-nos na mão no cinema, encostam-se, colam-se, contam histórias sem interesse nenhum que nunca mais terminam, querem variar de restaurante, querem namoro, diminutivos, palermices e nós ali a aturá-las.
O Dinis Machado contava-me de um conhecedor que lhe aclarava as ideias
- as mulheres têm os fios desligados
E outro elucidou-me que eram como os telefones: avariam-se sem que se entenda a razão, emudecem, não funcionam e o remédio é bater com o aparelho na mesa pare que comecem a trabalhar outra vez. Meus Deus, que pena me dão as mulheres. Se informam
-já não gosto de ti
Se informam
-não quero mais
Aí estão eles alterarem a agressividade com a súplica, ora violentos, ora infantis, a fazerem esperas, a chorarem nos SMS a levantarem a mãozinha e, no instante seguinte a ameaçarem matar-se, a perseguirem, a insistirem, a fazerem figuras tristes, a escreverem cartas lamentosas e ameaçadoras, a entrarem pelo emprego dentro, a pegarem no braço, a sacudirem, a mandarem flores, eles que nunca mandavam a colocarem-se de plantão À porta dado que aquela p*** há-de ter outro e vai pagá-las, dispostos a partes-pagas, cenas ridículas, gritos. A miséria da maior parte dos casais, elas a sonharem com o Zorro, Che Guevara ou eu, e eles a sonharem com o decote da vizinha de baixo, de maneira, de maneira que ao irem para a cama são quatro: os dois que lá se deitam e os outros dois com quem sonham. Sinceramente as minhas filhas preocupam-me: receio que lhes caia na sorte um caramelo que passe À frente delas nas portas, não lhes abra o carro, desapareça logo a seguir por chichi-sede-fome-persianas-mal-descidas-e-os-ladrões-percebes, não se levante quando entram, comece a comer primeiro e um belo dia
(para citar noventa por cento dos escritores portugueses)
- O problema não está em ti está em mim a mexerem a faca na mesa ou a atormentarem a argola do guardanapo, cobardes como sempre. Não tenho nada contra os homens até gosto de alguns. Dos meus amigos. De Schubert. De Ovídio. De Horácio, de Vergílio. De Velásquez. De Rui Costa. De Einzenberger. Razoável a minha colecção. Não tenho nada contra os homens a não ser no que se refere às mulheres. E não me excluo: fui cobarde idiota, desonesto.
Fui
(espero que não muitas vezes)
rasca. Volta e meia surge-me na cabeça uma frase do Conrad em que ele comenta que tudo o que a vida nos pode dar é um certo conhecimento dela que chega tarde de mais. Resta-me esperar que ainda não seja tarde para mim. A partir de certa altura deixa de se jogar às cartas connosco mesmos e de fazer batota com os outros. O problema não está em ti está em mim, que extraordinária treta. Como os elogios que vêm logo depois: és inteligente, és sensível, és boa, és generosa, oxalá encontres etc..., que mulher não ouviu bugigangas destas? Uma mulher contou-me que o marido iniciou o discurso habitual
- mereces melhor que eu
levou com a resposta
- pois mereço. Rua.
Enfim, mais ou menos isto, e estou a ver a cara dele à banda. Nem uma lágrima para amostra. Rua. A mesma lágrima para amostra. Rua. A mesma amiga para uma amiga sua.
- o que faço às cartas de amor que me escreveu?
e a amiga sua
- Manda-lhas. Pode ser que façam falta.
Fazem de certeza: é só copiar mudando o nome. Perguntei à minha amiga
- E depois de ele se ir embora?
- Depois chorei um bocado e passou-me.
Ontem jantámos juntos. Fumámos um cigarro no automóvel dela, fui para casa e comecei a escrever isto. Palavra de honra que vi na janela uma árvore a sorrir-me. Podem não acreditar mas uma árvore a sorrir-me.»

| António Lobo Antunes|

1 de agosto de 2012


Perduto è tutto il tempo che in amor non si spende / Lost is all the time that you don't spend in love.

| Torquato Tasso |

26 de julho de 2012

À Beira de Água




Estive sempre sentado nesta pedra
escutando, por assim dizer, o silêncio.
Ou no lago cair um fiozinho de água.
O lago é o tanque daquela idade
em que não tinha o coração
magoado. (Porque o amor, perdoa dizê-lo,
dói tanto! Todo o amor. Até o nosso,
tão feito de privação.) Estou onde
sempre estive: à beira de ser água.
Envelhecendo no rumor da bica
por onde corre apenas o silêncio.

Os Sulcos da Sede, Eugénio de Andrade |

25 de julho de 2012

The Wolves (Act I And II)



Someday my pain, someday my pain

Will mark you

Harness your blame, harness your blame

And walk through



With the wild wolves around you

In the morning, I'll call you

Send it farther on



Solace my game, solace my game

It stars you

Swing wide your crane, swing wide your crane

And run me through



And the story's all over you

In the morning i'll call you

Can't you find a clue when your eyes are all painted Sinatra blue



What might have been lost -

Don't bother me


| Bon Iver |

24 de julho de 2012


Conto até cem e, se não chegares antes dos cem, vou-me embora. Não chegaste antes dos cem. Conto de cem a um e, se não chegares antes do um, vou-me embora. Não chegaste antes do um. Conto dez automóveis pretos e, se não chegares antes dos dez automóveis pretos, vou-me embora. Não chegaste antes dos dez automóveis pretos. Nem antes dos quinze taxis vazios. Nem antes dos sete homens carecas. Nem antes das nove mulheres loiras. Nem antes das quatro ambulâncias. Nem sequer antes dos três corcundas e, entretanto, começou a chover.

| António Lobo Antunes |

11 de julho de 2012

little gidding


What we call the beginning is often the end

And to make an end is to make a beginning.

The end is where we start from. And every phrase

And sentence that is right (where every word is at home,

Taking its place to support the others,

The word neither diffident nor ostentatious,

An easy commerce of the old and the new,

The common word exact without vulgarity,

The formal word precise but not pedantic,

The complete consort dancing together)

Every phrase and every sentence is an end and a beginning,

Every poem an epitaph. And any action

Is a step to the block, to the fire, down the sea’s throat

Or to an illegible stone: and that is where we start…

We shall not cease from exploration

And the end of all our exploring

Will be to arrive where we started

And know the place for the first time”


| T.S.Eliot - ‘Little Gidding’, Four Quartets |

14 de junho de 2012

WE ARE ACCIDENTS WAITING,
WAITING TO HAPPEN


| Radiohead, There, There |

30 de maio de 2012

"Ainda não é o Fim nem o Princípio do Mundo. Calma é Apenas um Pouco Tarde"