Google+

17 de abril de 2009

Sem fingir

Na impossibilidade de falar,de escrever, de me exprimir…. Para desatar o nó que tenho na garganta… E para expulsar as dúvidas que fervilham num lume de cólera… Vou respirar. Simplesmente respirar. Vou parar de negar. Amanhã já é passado. E se não for, será no dia seguinte. Ou no outro. Algum dia se chamará ontem.